To Bolt Or Not To Be

By the UIAA Mountaineering Commission


Most mountaineers and climbers regard our activity as a freedom sport, in other words it is free of rules and regulations, we are free to do it where we like, when we like and with anyone we choose. But this is not quite correct. We have a code of ethics and behaviour in mountains involving respect for the natural environment and consideration for others involved in our sport. Although strictly speaking these are not rules but concepts that have been accepted by most of us for many years and largely they are respected and work well.

Debates between mountaineers and climbers about the ethics of the use of protection techniques have been continuous and I am proud that the UIAA Mountaineering Commission together with the German and Austrian Alpine Clubs have clarified these concepts on their use. We hope that this will find a common ground between climbers who want most climbs bolted to climbers having a more purist approach discounting any use of bolts.

We are a tolerant society and I hope that these suggestions offer an acceptable compromise that we can all use in the future.

Good climbing.

Ian McNaught-Davis, UIAA President


"You, who are on your road
must have a code
that you can live by
and so become yourself
because the past
is just a goodbye"
(Graham Nash)

The message of the popular Crosby, Stills, Nash & Young song "Teach" could provide a suitable background for implementing this document. The "Recommendations for the redevelopment and first ascents of rock climbing routes in alpine regions" are based on the principle of voluntary participation. They represent a compromise between the factions supporting and opposing the use of bolts and are meant to be future-oriented guidelines for dealing with the resource "mountain".

The following people cooperated on this project:

Stefan Beulke, German Mountain Guide Association
Alexander Huber, professional climber
Nicholas Mailänder, DAV
Andreas Orgler, climber and mountain guide
Robert Renzler, OeAV
Karl Schrag, DAV
Pit Schubert, DAV-Sicherheitskreis

I would like to thank them for their enthusiasm and perseverance during the extensive discussions - especially Nicholas Mailänder, who served as the "spiritus rector" in our work group. Many thanks also to Michael Olzowy, chairman of the DAV-section Bayerland, for organising two public discussions on the topic which brought together leading climbers from various countries and included such celebrities as Reinhold Messner.

Robert Renzler, President of the UIAA Mountaineering Commission, project-coordinator


Recommendations for redevelopment and first ascents of rock climbing routes in alpine regions

1. Introduction

This document was produced in response to requests from national mountaineering associations for advice on the use of fixed equipment. The views held on this subject are strong ones (see UIAA Bulletin 3/98 "Mountains in Steel and Iron"). Some organisations were becoming concerned that without a clear consensus between climbers and mountaineers, other institutions would attempt to impose regulations on our activities. In some alpine regions major disputes arose between "plaisir" climbers and "purists", climbers favouring a traditional style of mountaineering and climbing. The dispute sparked off a vicious circle of bolt chopping, retrobolting and repeated chopping on certain routes.

At the request of the UIAA Moutaineering Commission, in 1998 the Austrian and German Alpine Clubs, who were already discussing the topic, set up a work group to a draft position paper. A wide range of views were considered by the group. Also, information was presented at meetings like ENSA in Chamonix on November 12-13, 1998, about the use of bolts in the Mont Blanc range.

The document was then presented to the 1999 International Winter Climbing Meet and Seminar in Aviemore, Scotland. This meeting was attended by over 100 climbers from 28 countries, who unanimously supported the paper. It called on climbers world-wide to consider the paper in detail so that a firm consensus based on good practice could be established and the freedom to pursue our activities protected.

The document was finally adopted by the UIAA Council in May 2000, during the meeting in Plas y Brenin, Wales.

2. Preamble

Climbing is a popular lifetime sport, characterized by lasting human relationships, direct contact with nature and the intensity of the physical activity. Climbing is a stabilising factor for many people providing a sense of meaning. From the sociopolitical point of view, climbing contributes to public health by counteracting the effects of a lack of physical activity. In addition psychologists and educationalists have recognized that climbing in the outdoors promotes positive character traits like reliability, a sense of responsibility and the ability to work in teams.

Climbing in the mountains provides a chance – especially for young people – to develop their sense of responsibility. This aspect is more or less pronounced, depending on the style of climbing involved. The degree of responsibility called for during a climb depends on the amount of protection on route: rock climbing routes with little protection require an especially high measure of accountability by the climber for his own safety and that of his partner.

Coupled with respect for natural surroundings, free access to the alpine wilderness areas is a fundamental right. Sufficient possibilities to exercise the sport of rock climbing can only be guaranteed if this right to freedom of movement remains intact and is restricted only in isolated, well-founded cases when agreed as being absolutely necessary.

Like hiking, rock climbing in Europe is a significant economic factor in the low and high mountain ranges. Because of the economic nature of many of these regions, climbers and the family members traveling with them, are often an essential source of income, both for the catering trade of the areas visited and the accompanying retail businesses.

In this document redevelopment measures refer to the placement of fixed protection on rock climbing routes according to current technical safety standards.

3. The redevelopment of rock climbing routes

In the evolution of climbing in low mountain ranges as well as in the lower areas of the high ranges, many climbers have developed a liking for well-protected sport climbs or fun routes. A large number of alpine climbers prefer having good bolts on the pitches and on belays on popular rock climbing routes.

On the other hand, a good number of the climbers who frequent the mountains are interested in retaining the original character of rock climbing routes and areas. They prefer to do without bolts, either partially or entirely.

The extent and quality of the equipment of a rock climbing route with fixed protection is an effective instrument for influencing its popularity: well-protected routes are done more frequently than poorly protected ones. Thus, in ecologically sensitive areas permanent protection should be reduced to a minimum. On the other hand, in less sensitive areas possibilities for the climbing activity of a greater number can be created by the development of well protected rock climbing routes. Climbing areas developed along these guidelines pose no threat to the natural environment.

A pluralism of the various climbing games is desirable and is welcomed as an expression of the legitimate individual preferences of climbers. To permit this kind of pluralism we make the following recommendations:

a) The redevelopment measures should be limited to a selection of frequently climbed routes.

b) Certain alpine areas, mountains, or parts of mountains can be excluded from these measures in order to retain their original character.

c) Rock climbing routes that represent particular milestones in alpine history (for example, the North Face of the Eiger/Heckmair-route, Lalidererverschneidung, Marmolata South Spur, Pumprisse, Grandes Jorasses-Walker Spur, Dru North Face, Traverse of the Grepon or Meije), must be left in their original state. This principle also applies to rock climbing routes with local significance (e.g. Gelbe Mauer Direct o¬n Untersberg, Battert Crack o¬n the Gehrenspitze).

d) A basic principle of the redevelopment of rock climbing routes is that the character of the route remains intact:

1. The line of the first ascent is not to be altered.

2. Routes and single pitches done “clean” on the first ascent (using only nuts, friends, threads, etc.) should not be retrobolted.

3. No bolts will be placed on sections of routes that may be done clean by climbers of the grade of that route.

4. Runouts may not be neutralized by additional bolts (don't take the edge off a runout).

5. The difficulty of a route should not be altered through redevelopment measures. Aid passages left by first ascensionists should be aidable after redevelopment. The amount of permanent protection in a redeveloped route should be less than the original number of pieces. For example, several regular pitons can be replaced by a single bolt.

6. For all redevelopment measures, only material that fits European and UIAA standards should be used. The redevelopment is to be to carried out at recognized standards under the auspices of the responsible stewardship organization.

7. A route should not be subject to redevelopment against the will of the first ascensionist.

e) The valid mode of the redevelopment in a climbing area is defined – on the basis of these recommendations – by the locally knowledgeable climbers together with the local climbing groups, if necessary, in cooperation with the responsible authorities. Decision-making power on the local level guarantees every area its own independent character.

The activities of the local stewardship organizations will be coordinated by a supraregional committee in order to guarantee the horizontal and vertical flow of information and to ensure a uniformly high quality of stewardship. The committee mediates in case of conflicts.

4. The first ascent of rock climbing routes

a) In alpine regions, first ascents are to be done exclusively on lead (no prefixing from above).

b) In the areas excluded from redevelopment measures, bolts should be limited to an absolute minimum, otherwise it is up to every first ascensionist to set the standard of protection on his/her own route.

c) There should be no detraction from the independent character of adjacent routes.

d) Particularly in zones close to the valleys or in other easily accessible parts of the mountains special sport climbing areas can be established – insofar as this can be done in an ecologically sound fashion and without obstructing other existing climbing areas. These measures need to be approved by the stewardship organization responsible for that area.

Como usar o Grigri

O Grigri é um equipamento fabricado pela marca Petzl e utilizado para fazer segurança ao escalador. É bastante seguro, mas, como qualquer outro equipamento de escalada, deve ser utilizado corretamente.
Já vi diversas vezes o Grigri sendo utilizado de forma errada. E até mesmo já presenciei acidentes devido o mau uso deste equipamento.

A 'atenção' e o 'conhecimento' são elementos fundamentais na escalada. E não há equipamento que dispense esses dois elementos. Portanto, conheça perfeitamente o equipamento antes de utilizá-lo, use ele corretamente e esteja sempre muito atento. Este comportamento deve ser praticado tanto pelo 'escalador' (ou 'guia'), quanto pelo 'segurança'.

O video abaixo explica o uso do Grigri:

Não deixe de ver também o site da Petzl.

Escale com consciência!

Digital Photography Review - DPReview

Para quem curte fotografia ou está pensando em adquirir uma câmara digital ou algum outro equipamento fotográfico, aqui está um ótimo site:

No DPReview você pode ver as novidades e análises dos principais equipamentos disponíveis no mercado, podendo compará-los lado a lado. Vale a pena dar uma conferida!

Cordón del Plata: Cerro Plata, Vallecitos e Rincón

As montanhas do Cordón del Plata. (Clique na imagem para ampliar)

O Cordón del Plata é um ótimo campo-escola para alta-montanha. Estive três vezes lá. A primeira vez foi em 1996, para subir o Vallecitos. Depois, em 1998, quando escalei o Plata, o Vallecitos e o Rincón. E mais tarde, em 1999, apenas para fazer caminhadas. Nesta época o Cordón del Plata ainda não era tão frequentado como é atualmente. Nestas vezes que estive lá, normalmente não havia mais do que três barracas no acampamento “Salto”. Aliás, em ocasiões, estivemos acampados sozinhos por lá.
No entanto, justamente as características que fazem deste maciço de montanhas ser um ótimo campo-escola, fizeram com que houvesse um enorme aumento do fluxo de pessoas ao longo dos anos 2000. Estas características são: proximidade da cidade Mendoza, fácil acesso, caminhada de aproximação curta, diversas vias sem dificuldades técnicas, altitudes de até 6000m, etc. Enfim, o Cordón del Plata tornou-se um lugar bastante popular para a primeira experiência em altitude de muitos montanhistas e/ou também como local de aclimatação antes de ir para o Aconcagua. E assim, hoje em dia o local é muitíssimo frequentado... Na alta temporada, no acampamento “Salto” há enormes barracas de expedições comerciais (nos moldes do Aconcagua), além das diversas barracas dos grupos de montanhistas independentes que passam por lá.

Abaixo estão listadas as escaladas que fiz na década de 90 na região (que mais adiante descrevo com maiores detalhes):

- Vallecitos (cumbre sur) 5440m (Cordón del Plata, Argentina; 27/Janeiro/1996)
- Rincón 5325m (Cordón del Plata, Argentina; 05/Janeiro/1998; via normal)
- Plata 5950m (Cordón del Plata, Argentina; 07/Janeiro/1998)
- Falso Plata (cumbre nordeste) 5840m (Cordón del Plata, Argentina; 07/Janeiro/1998)
- Vallecitos (cumbre principal) 5450m (Cordón del Plata, Argentina; 09/Janeiro/1998)
- Rincón 5325m (Cordón del Plata, Argentina; 12/Janeiro/1998; via supercanaleta)

O Plata, o Vallecitos e o Rincón são provavelmente as montanhas mais frequentadas do maciço. São escaladas simples e que proporcionam uma ótima experiência, numa linda paisagem de montanha. O equipamento necessário para as vias normais é o básico de alta-montanha: botas-duplas, crampons, piqueta clássica e/ou bastões de esqui.

A seguir descrevo a escalada destas três montanhas:


Imagem do Google Earth: Cordón del Plata

Imagem do Google Earth: acesso aos acampamentos Salto e Ollada; e aos Cerros Plata e Vallecitos.

Cerro Plata e acesso ao Cerro Vallecitos

A via normal do Cerro Plata é uma caminhada sem dificuldades técnicas. As vias alternativas descritas na foto acima também não apresentam dificuldades técnicas.

A via normal do Cerro Vallecitos é uma caminhada até o cume sul, sem dificuldades técnicas. A maioria das pessoas pára aí. A partir do cume sul, para ir ao cume principal, deve-se descer uns 30 metros rumo ao norte, por uma rampa de pedras soltas. E então deve-se escalar uma parede de rocha de uns 40 metros (III grau), na face leste da montanha.

Cerro Vallecitos: A via normal segue pela crista no lado esquerdo da montanha. Acompanhando a crista pelo lado esquerdo da montanha, o primeiro cume que se vê é o cume sul. Em seguida, logo à direita, pode-se ver o cume principal.

Cerro Rincón

OBS.: A via normal do Cerro Rincón é uma caminhada, sem dificuldades técnicas. A via supercanaleta pode se mostrar perigosa, principalmente no verão, devido queda de pedras.

Escalando a Supercanaleta do Cerro Rincón (5325m).

Para mais informações e fotos, veja também o link abaixo:
Escaladas no Cordón del Plata em 1998

Chacaltaya derretido

Chacaltaya é uma montanha de aproximadamente 5300m de altitude, localizado na Cordilheira Real, na Bolívia. Está a cerca de 30 km da cidade de La Paz e é o destino turístico de muitas pessoas durante todo o ano. Nesta montanha está a mais alta estação de esqui do mundo.

Estive no Chacaltaya em 1997, quando lá ainda havia um glaciar, no qual estava a pista de esqui. Naquela época o glaciar já estava em rápido retrocesso e a previsão era de que por volta do ano 2015 ele desapareceria por completo. Porém, infelizmente o aquecimento global superou as previsões dos cientistas... O glaciar do Chacaltaya se extinguiu agora em 2009.

Mais do que a perda da mais alta estação de esqui do mundo, este fato nos alerta para as consequências mais drásticas do aquecimento global. Por exemplo, o abastecimento de água da cidade de La Paz, que provém do derretimento de gelo na Cordilheira Real, pode estar comprometido em breve.

O derretimento do glaciar do Chacaltaya


Home é um documentário do diretor Yann Arthus-Bertrand e do produtor Luc Besson. Foi lançado simultaneamente nos cinemas, televisão, DVD e Youtube.
O filme apresenta belíssimas imagens aéreas do nosso planeta, das mais diversas paisagens e ecossistemas. Numa viagem de uma hora e meia, mostra suas belezas, sua história e também a maneira como a ação do homem está afetando todos esses ambientes que estão interconectados.
Home não possui um aspecto comercial e nenhum tipo de propaganda em sua página. O filme busca a conscientização das pessoas.
Vale a pena assistir!

A seguir estão os links para ver o filme no Youtube:

HOME (em inglês)

HOME (em castelhano)

Sistema Brasileiro de Graduação de Vias de Escalada em Rocha

A Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME) aprovou na Assembléia Geral Extraordinária de 25/08/2007 o Sistema Brasileiro de Graduação de Vias de Escalada. Este sistema foi desenvolvido pela FEMERJ e adotado pela CBME.
A adoção do sistema tem como objetivo unificar a nomenclatura e a sistemática de graduação de vias de escalada em rocha em todo o território nacional. No entanto, mesmo com a nomenclatura unificada, a medida do grau de uma via continua contando com fatores subjetivos e é influencida também pelo regionalismo. As vias são graduadas por comparação com a dificuldade de outras vias. Ou seja, isso é tema para saudáveis discussões entre os escaladores. Se uma via é um pouco mais difícil que outra, receberá uma graduação um pouco maior. E se é um pouco mais fácil, receberá uma graduação um pouco menor. Assim, por utilizar-se de critérios comparativos, a graduação das vias apresenta regionalismos. Ou seja, há áreas de escalada onde a graduação é "mais forte" e áreas onde é "mais fraca". Por exemplo, um VI grau numa determinada região pode ser mais forte (ou mais fraco) que em outro lugar.
Abaixo estão apresentadas algumas tabelas que comparam a graduação brasileira com as graduações de outros países. Pode-se observar que há pequenas diferenças entre essas tabelas. Por isso, deve-se lembrar que a graduação não é uma medida absoluta. O objetivo da graduação é simplesmente dar uma indicação aos escaladores da dificuldade enfrentada numa determinada via.


1 - Descrição do Sistema de Graduação

1.1 - Introdução

Uma das vantagens do sistema brasileiro é a menção dos graus geral e do lance mais difícil da via em separado, ao contrário do que acontece em sistemas como o americano e o francês, que tomam como grau de uma escalada apenas o grau do seu lance mais difícil.
O sistema aqui proposto procura manter esta e outras qualidades deste sistema e ao mesmo tempo acrescentar algumas inovações que o tornem mais atual e eficiente. Algumas destas mudanças são: a adoção oficial do sistema internacional em artificiais (o sistema antigo classificava oficialmente os artificiais em A1, A2 ou A3, embora na prática no Brasil já se adote há tempos a escala até A5), a nova subdivisão (a,b,c) para lances de dificuldade elevada (VIIa ou maior) e a adoção de um grau específico de exposição.
A graduação de uma via é composta aqui de duas partes principais: uma "central", de menção obrigatória, e outra de termos opcionais, que podem ser acrescidos conforme a riqueza de detalhes que se deseje passar.
A parte central é composta pelo grau geral, o grau do lance mais difícil e o grau do artificial, quando este existir. Os termos opcionais são o grau de duração, o grau de exposição, o número de passadas em artificial e o grau máximo "obrigatório" em livre. Todos estes itens são explicados abaixo.
Lembramos que na atribuição do grau a uma via considera-se que o escalador está guiando e escalando "à vista", isto é, sem conhecimento prévio da via.

1.2 - O Grau Geral

O grau geral tem o objetivo de expressar a soma de todos os fatores objetivos e subjetivos que traduzem a dificuldade de uma via. Trata-se de uma média das dificuldades técnicas encontradas ao longo da via, que por sua vez pode ser ajustada de acordo com os fatores subjetivos, caso estes tenham um peso relevante na dificuldade geral. Entre estes fatores estão: distância entre as proteções, periculosidade das quedas, exigência física, qualidade das proteções e da rocha, existência ou não de paradas naturais para descanso no meio das enfiadas e possibilidade de abandono do meio da via.
Como é influenciado por fatores subjetivos de toda a via, o grau geral pode eventualmente ser maior do que o grau do lance mais difícil. Isto acontece, por exemplo, em escaladas de lances fáceis porém com alto grau de exposição (ver exemplos ao final do texto).

Notação e uso:
a. Algarismos ordinais arábicos;
b. Não há subdivisões;
c. Colocado no início da graduação, podendo apenas ser antecedido pelo grau de
duração, quando este existir;
d. Sistema aberto para cima, podendo sempre receber um grau a mais do que o máximo grau existente em uma determinada época; e
e. Menção obrigatória.

1°, 2°, 3°, 4°, 5°, 6°, 7°, 8°,...

1.3 - O Grau do Lance mais difícil:

Trata-se do grau do lance ou seqüência mais difícil de toda a escalada, ou grau do crux. Pode ser apenas uma passada ou uma seqüência, isto é, um conjunto de lances entre dois pontos naturais de descanso da via. Este grau também é influenciado pelo nível de exposição (um lance difícil longe do último grampo tende a ter graduação mais alta do que o mesmo lance bem protegido), embora o fator dificuldade técnica prevaleça.

Notação e uso:
a. Algarismos romanos;
b. Subdivisões: "sup" até VIsup, e "a, b, c" acima de VIsup. As subdivisões são escritas logo após o algarismo, em minúsculas e sem espaçamento;
c. Posicionado logo após o grau geral, deixando-se um espaço entre eles, e antes do grau do artificial;
d. O sistema é aberto para cima; e
e. Menção obrigatória.

I, Isup, II, IIsup, III, IIIsup, IV, IVsup, V, Vsup, VI, VIsup, VIIa, VIIb, VIIc, VIIIa,
VIIIb, VIIIc, IXa,...

Obs: Além de ser usada na classificação de vias, a notação em romanos deve ser sempre utilizada para a descrição de lances de escalada isolados. A indicação da dificuldade de cada lance nos desenhos dos croquis de vias e o relato escrito de detalhes de escaladas ("...tal escalador passou por uma fenda de VI...") são dois exemplos onde se deve escrever o grau em romanos e não em arábicos.

1.4 - Vias de uma enfiada de corda, falésias e boulders

Para estas vias não há sentido em se atribuir um grau geral e um grau para o lance mais difícil, uma vez que são vias curtas, de comprimento máximo de 50 ou 60 metros. Então o grau geral é abolido, e utiliza-se somente o grau do lance ou seqüência mais difícil, em romanos, para expressar a sua dificuldade. As vias muito curtas, por serem normalmente mais difíceis, não costumam possuir pontos naturais de descanso – neste caso a via inteira é uma seqüência única a ser graduada.
Esta graduação é válida para boulders, falésias e vias curtas em geral, e a notação e a escala já foram descritas acima. Seguem abaixo alguns exemplos de escaladas deste tipo pelo Brasil:
- O Tempo Não Para (Galpão de Pedra, Caçapava do Sul / RS) - VIsup
- Ácido Nítrico (Falésias dos Ácidos, Urca / RJ) – VIIIa
- Corações e Mentes (Mo. Da Pedreira, S. do Cipó / MG) - IIIsup
- Asterix (P. da Ana Chata, S. Bento do Sapucaí / SP) - VIIa
- Grampeleta (Boulder Principal, Serra Caiada / RN) - VIsup

1.5 - O grau máximo obrigatório em livre

O grau de uma via de escalada é o seu grau mais em livre possível. No entanto, um escalador cujo nível técnico esteja abaixo dos lances mais difíceis de determinada escalada pode ter condições de repeti-la se subir tais lances em artificial, utilizando para isso as proteções como pontos de apoio. Embora este não seja o melhor estilo de se repetir uma via, muitas vezes é o estilo possível para quem (ainda) não consegue fazê-la totalmente em livre.
Por este motivo, na hora de graduar uma via, alguns escaladores gostam de mencionar o grau máximo "obrigatório" em livre da escalada, isto é, aquele que, mesmo utilizando as proteções como ponto de apoio, o escalador necessariamente tem que conseguir guiar em livre para repeti-la. Neste caso o "novo crux" passa a ser mais baixo, substituindo o crux real na graduação. O crux real é mencionado entre parêntesis, junto com a indicação do artificial que o substitui.
Por exemplo: Suponha que numa via de 3° VIsup o lance de VIsup possa ser subido pisando-se em duas das proteções (artificial A0, portanto), fazendo com que o grau máximo em livre passe a ser IV. O grau desta via pode ser expresso então como 3° IV (A0/VIsup).
Isto é, a via é de 3° grau, o crux é de VIsup e caso este seja feito em artificial A0 o novo crux (grau obrigatório) passa a ser IV. O termo entre parêntesis (A0/VIsup) significa "ou você faz um A0 ou faz um VIsup".
Outra aplicação para esta forma de graduação está em vias conquistadas com trechos em artificial e que com o passar dos anos foram feitas em livre, mas que conservam a grampeação original do antigo artificial.

Notação e uso:
a. O "novo crux" é colocado depois do grau geral, em substituição ao crux real;
b. A seguir coloca-se entre parêntesis o grau do artificial, uma barra e o grau do crux real, sem espaçamento entre eles; e
c. Uso opcional.

1.6 - O grau do artificial (A)

Entende-se por artificial o uso de meios não naturais (ou pontos de apoio artificiais) para progressão numa escalada.
O grau adotado aqui segue o sistema internacionalmente mais utilizado, indo de A0 a A5, e possuindo subdivisões ("+"). Apenas o A0 recebe uma definição um pouco diferente em relação a outros países. Quanto ao grau reservado para (futuras) escaladas mais difíceis do que A5, adota-se aqui o A5+ em vez de A6, para se manter uma lógica sequencial, a exemplo de algumas publicações como o já citado "Mountaineering – the freedom of the hills".
O grau do artificial de uma via é o grau da sua enfiada mais difícil, e não uma média dos diferentes trechos em artificial.
Quando o artificial possui poucos pontos de apoio, pode-se desejar mencionar a quantidade destes pontos. Neste caso, coloca-se o número de pontos de apoio entre parêntesis, logo depois do grau. Ex: 4° V A1(3) ou 4° V A2+(2).
Quanto a via possui trecho em cabo de aço, adiciona-se a letra "C" ao final. Ex: 4° V C.
Convém comentar que a graduação de artificiais leva em conta principalmente a qualidade das colocações que seguram o escalador e o tamanho da queda em potencial. Assim sendo, é possível a existência de artificiais com poucas passadas mas de graus elevados. Por exemplo: uma sequência de 4 ou 5 copperheads e rurps fragilmente colocados após um longo lance de escalada em livre sem proteção pode vir a receber um grau alto, apesar de ser um trecho curto.
Artificiais fixos podem ser A0 ou A1, conforme sua extensão. Artificiais de cliff são sempre maiores do que A1, variando conforme a distância da última proteção sólida e a dificuldade de progressão. Estes fatores também se aplicam ao material móvel em geral.

Notação e uso:
a. Letra A maiúscula seguida de numeração de 0 a 5, em arábicos, sem espaçamento entre a letra e o número;
b. Subdivisões: "+", colocado após o número sem espaçamento;
c. Posicionado depois do grau do lance mais difícil e antes do grau de exposição (E), caso exista;
d. No caso de cabos de aço, letra C maiúscula, posicionada depois do lance mais difícil ou do artificial (A), caso este exista, e antes do grau de exposição (E), caso exista;
e. O número de pontos de apoio vem em arábicos, colocado entre parêntesis logo após o grau do artificial, sem espaçamento. Seu uso não é obrigatório; e
f. O grau do artificial é de uso obrigatório;

A0: Pontos de apoio sólidos ("à prova de bomba") isolados ou em uma curta sequência, com pouca exposição; pêndulos; uso da proteção para equilíbrio ou descanso; e tensionamento da corda para auxílio na progressão;
A1: Peças fixas ou colocações sólidas de material móvel, todas elas fáceis e seguras, em uma seqüência razoavelmente longa;
A2: Colocações de material móvel geralmente sólidas porém mais difíceis. Algumas colocações podem não ser sólidas, mas estarão logo acima de uma boa peça. Não há quedas perigosas.
A2+: Como o A2, mas com possibilidade de mais colocações ruins acima de uma boa. Potencial de queda aproximado de 6 a 9 metros, mas sem atingir platôs. Pode ser necessária uma certa experiência para encontrar a trajetória correta da escalada.
A3: Artificial difícil. Possui várias colocações frágeis em seqüência, com poucas proteções sólidas. O potencial de queda é de até 15 metros, equivalente ao arrancamento de 6 a 8 peças, mas geralmente não causa acidentes graves. Geralmente são necessárias várias horas para guiar uma enfiada, devido à complexidade das colocações.
A3+: Como o A3, mas com maior potencial de quedas perigosas. Colocações frágeis, como cliffs de agarra em arestas em decomposição, depois de longostrechos com proteções que agüentam somente o peso do corpo. É comum que escaladores experientes levem mais de três horas para guiar uma enfiada.
A4: Escaladas muito perigosas. Quedas potenciais de 18 a 30 metros, com perigo de se atingir platôs ou lacas de pedra. Peças que agüentam somente o peso do corpo.
A4+: Como o A4, mas são necessárias várias horas para cada enfiada de corda. Cada movimento do escalador deve ser calculado para que a peça onde ele se encontra não seja arrancada apenas com o peso do seu corpo. Longos períodos de pressão psicológica.
A5: Este é o extremo, sob o ponto de vista técnico e psicológico. Nenhuma das peças colocadas em toda a enfiada é capaz de segurar mais do que o peso do corpo, quando muito. As enfiadas não podem possuir proteções fixas nem buracos de cliff.
A5+: Como um A5 em que as paradas não são sólidas. Qualquer queda é fatal para todos os componentes da cordada. Até o presente não se conhece nenhuma via de escalada com essa graduação.

1.7 - O Grau de Duração (D)

Expressa o tempo de duração da via quando repetida à vista por uma cordada que tenha prática nas técnicas exigidas e que tenha segurança no grau da via. A escala utilizada é a internacional, tendo a notação sido modificada para maior clareza, já que aquela escala utiliza os mesmos algarismos romanos que aqui utilizamos para o lance mais difícil da via.
Assim sendo, os graus I, II, III, etc utilizados no exterior equivalerão no sistema brasileiro aos graus D1, D2, D3, etc, sendo o D de "duração".
O grau de duração da via só considera a ascenção, não incluindo o tempo de retorno, seja ele feito por rapel ou caminhada.

Notação e uso:
a. Letra D maiúscula seguida de numeração (de 1 a 7), em arábicos, sem espaçamento
entre a letra e o número;
b. Posicionado no início do grau da via, antes de todos os outros fatores; e
c. Utilização opcional.

D1: Poucas horas de escalada;
D2: Meio dia de escalada;
D3: Um dia quase inteiro de escalada;
D4: Um longo dia de escalada;
D5: Requer uma noite na parede. Cordadas muito velozes podem repeti-la em um
D6: Dois dias inteiros ou mais de escalada. Normalmente inclui longos e
complicados trechos de escalada artificial; e
D7: Expedições a locais de acesso remoto com longa aproximação e muitos dias de

1.8 - O grau de exposição (E)

O grau de exposição de uma via procura expressar seu o grau de comprometimento psicológico. Como visto anteriormente, a exposição está incluída, junto com outros fatores, no grau geral da escalada. No entanto, a sua menção específica em separado é uma informação muitas vezes importante, principalmente em se tratando de escaladas em ambiente de montanha, e muitos escaladores optam por utilizá-lo na graduação das vias.
A primeira vez que um termo que expressasse exclusivamente o grau de exposição foi utilizado ocorreu com o lançamento do Guia de Escaladas dos Três Picos (1998), por Alexandre Portela, Sérgio Tartari e Isabela de Paoli. Os autores criaram um sistema fechado com 5 subdivisões, e que teve repercussão bastante positiva por parte da grande maioria dos escaladores que utilizaram aquela publicação como fonte de informações sobre as escaladas de Salinas (Friburgo), região incluída no guia. Como resultado, decidiu-se nos seminários incluir este grau no sistema.
Os fatores considerados aqui são principalmente a distância e a qualidade das proteções e o risco de vida em caso de queda, mas também a dificuldade técnica dos lances (embora este fator tenha menor peso).
Este grau diz respeito apenas à parte de escalada livre da via. A exposição dos trechos em artificial está incluída no grau do artificial.

Notação e uso:
a. Letra E maiúscula, seguida de numeração de 1 a 5, em arábicos, sem espaçamento entre a letra e o número;
b. Posicionado ao final do grau da via, depois de todos os outros fatores; e
c. Sua utilização é opcional.

E1: Vias bem protegidas (ex: a maior parte das vias do Anhangava/PR, Cuscuzeiro/SP, Lapinha/MG e Coloridos, Urca/RJ)
E2: Vias com proteção regular (ex: vias do Morro da Babilônia, na Urca/RJ e Serra do Lenheiro/MG);
E3: Proteção regular com trechos perigosos (ex: vias na Serra dos Órgãos/RJ e Pedra do Baú/SP);
E4: Vias perigosas (em caso de queda) (ex: algumas vias de Salinas/RJ e Marumbi/PR);
E5: Vias muito perigosas (em caso de queda) (ex: algumas vias de Salinas/RJ e Cinco Pontões/ES).

2) Exemplos de aplicação do sistema:

- Suponhamos que uma determinada via seja curta (uma enfiada de corda ou mesmo um boulder), e a sequência mais difícil seja VIIb. O grau da via é então VIIb.
- Suponhamos agora que essa via tenha na verdade duas ou mais enfiadas. Então o grau médio dos lances da via deve ser aferido, e ajustado um pouco para cima (ou não) conforme a exposição, exigência física e outros fatores subjetivos. Suponhamos que esse grau seja 5°. Então o grau da via é 5° VIIb.
- Mas no meio da via há um artificial de cliffs graduado em A2. Grau: 5° VIIb A2.
- Se esse artificial constituir de apenas três pontos de apoio, você pode querer explicitar isso. Solução: 5° VIIb A2 (3).
- Suponhamos que a via não tenha artificial nenhum, pois é feita em livre. Como vimos acima, seu grau é então 5° VIIb. Mas o crux (VIIb) tem a possibilidade de ser feito em artificial segurando em um ou dois dos grampos de proteção (um A0, portanto), e aí o lance mais difícil passa a ser um Vsup. Você pode informar isso na graduação da seguinte forma: 5° Vsup (A0/VIIb).
- Bem, acontece que esta via é particularmente exposta (um E4), e embora isto já tenha influenciado o grau geral você pode querer dar a informação em separado. Então o grau da via é 5° VIIb E4. E se houver o artificial A2, 5° VIIb A2 E4.
- E finalmente a via em questão é tão longa e trabalhosa que se trata de um big wall, e uma cordada normal levará dois dias para repetir. O grau é então: D5 5° VIIb A2 E4.
Em suma: O grau pode ser expresso de maneira tão simples como VIIb ou tão extensa como D5 5° VIIb A2 E4, conforme as características da via e os objetivos de quem a gradua.
Mas na prática, a maioria das vias só requer mesmo o uso de dois termos: o grau geral e o crux.

Seguem abaixo outros exemplos:

VIsup - Via de uma enfiada, boulder ou falésia cujo crux é VIsup.

D2 4° VIsup A2 E2 - Via de grau médio (geral) 4° , crux VIsup e artificial A2 cujo grau de exposição é E2 (grampeação regular) e a duração é D2 (meio dia de escalada).

IV E3 - Via curta de crux IV grau e exposição regular com trechos perigosos (E3).

3° IVsup (A0/VI) - Via de 3° grau com crux de VI, mas cujo crux obrigatório é IVsup.

D6 7° VIIb A3+ E4 - Via de 7° grau com crux de VIIb e artificial A3+ que tem grau de exposição E4 (via perigosa) e duração de alguns dias.

5° IV - Via de 5° grau cujo crux é de IV grau.

5° IV E4 - Pode ser a mesma via anterior, mas decidiu-se tornar explícito o grau de exposição. Note que o alto grau de exposição desta via faz com que o grau geral seja maior do que o do crux.

Graduação de algumas vias no Brasil pelo sistema:

Entre o Sol e a Lua (Casa de Pedra, Bagé, RS) - 5° V
O Dia da Marmota (P. do Cuscuzeiro, Analândia, SP) - 5° VIsup
Tragados pelo tempo (Corcovado, RJ) – D5 6° VIsup A3+
Ópera Selvagem (Sa. Do Lenheiro, S. J. del Rei, MG) - 4° V
Infarto Neurológico (Ibitirati, PR) - 6° VIsup A2 E4
Agulha do Diabo (Serra dos Órgãos, RJ) - 3° IIIsup A1 C
Universo Paralelo (Pa. do Pântano, Andradas, MG) – 6° VIIc
Los Encardidos (Marumbi, PR) – D5 6° VI A2
Tente Outra Vez (Torres – RS) – VI
Alcatraz (Serra Caiada, RN) - 5º VIIa E2
Face Leste do Pico Maior (Friburgo, RJ) - 5° IVsup E3

O sistema de graduação está disponível também no link a seguir:
Sistema Brasileiro de Graduação de Vias de Escalada em Rocha